A série Brave Women entrevista

Arnelle Woker

Arnelle Woker Illustration

Londres, UK

Assim como muitas de nós, Arnelle seguiu por um caminho cheio de curvas até encontrar-se com sua paixão e se arriscar numa carreira empreendedora e criativa. Me apaixonei seu estilo poético e vibrante à primeira vista (veja Childhood Memories por exemplo, uma das ilustrações inclusive neste post). Aqui ela conta um pouco mais sobre as alegrias e angústias de frente do seu próprio estúdio.

Como você descreve o que faz? Conte um pouco sobre o seu negócio.

Sou ilustradora e designer, originalmente da África do Sul, morando atualmente em Londres. Quando não estou trabalhando em trabalhos comissionados ou como freelancer em projetos, estou administrando minha própria loja on-line que vende artigos de papelaria, produtos de papel e botons esmaltados. Espero que, com meu amor pelo design de estampas, possa começar a explorar mais com tecidos e artigos para casa.

Como foi o começo? Você já sabia exatamente o que queria ou as coisas foram acontecendo mais organicamente, de uma forma evolutiva?

Eu gostaria de poder dizer que minha história seguiu um caminho claro até o lugar em que estou agora. Na verdade, comecei a estudar terapia ocupacional porque queria seguir uma carreira em ciências da saúde. Mas logo percebi que sentia falta de ser criativa e, depois de um ano, decidi mudar de rumo para estudar design gráfico. Após a formatura, meu primeiro trabalho foi como designer gráfica para uma empresa especializada em animação e comerciais. Eu realmente gostei de aprender mais sobre motion graphics e animação 3D. Meu chefe na época não me via como uma ilustradora e eu não podia culpá-lo porque, em retrospectiva, eu não havia trabalhado para explorar meu estilo ilustrativo. Mas eu sabia que precisava seguir esse sonho. Foi quando decidi me mudar para a Cidade do Cabo, onde comecei a trabalhar em um estúdio de ilustração menor. Eu amei o time, e veja só... acabei assumindo a função de produtora, trabalhando com gerenciamento de projetos em vez de assumir mais projetos de ilustração. Estar perto de uma equipe tão talentosa me inspirou a começar a trabalhar nos meus projetos pessoais à noite e sempre que eu tinha algum tempo livre. Eu trabalhei lá por cerca de 3 anos antes de decidir me dedicar ao trabalho freelancer. É sempre um movimento muito assustador para qualquer um fazer pela primeira vez. Mas não olhei para trás desde então.

Childhood Memories

Como é sua rotina de trabalho? Como é um típico dia de trabalho seu?

Eu sou madrugadora, então estou de pé geralmente por volta das 6h. Primeira coisa: café! Adoro começar o dia com uma caminhada, uma corrida ou algum tipo de exercício pela manhã. Eu sinto que isso começa o dia do jeito certo. Depois disso, mergulho na minha caixa de entrada para priorizar o dia pela frente. No momento, com o covid-19, as coisas parecem um pouco diferentes. Normalmente, eu passava dois dias no escritório em que tenho um contrato de trabalho para uma empresa sem fins lucrativos e o restante da semana num espaço de co-working. Mas agora estou trabalhando de casa - alguns dias são realmente produtivos e outros não. Acho que todos estamos nos ajustando da melhor maneira possível. E levando um dia de cada vez.

Qual a melhor parte e a maior dificuldade relacionada ao seu trabalho?

Existem duas partes - primeiro a de pensar novas ideias e criar. Esse sentimento de saber que estou fazendo o que amo e vendo algo em que tenho trabalhado se unindo. Nada chega perto desse sentimento, quando as coisas simplesmente se encaixam. E um segundo muito próximo é interagir com a comunidade que está comprando seu trabalho. Honestamente, ainda há danças felizes e whoohooo rolando toda vez que alguém faz um pedido. Isso faz com que tudo valha a pena. Adoro especialmente quando as pessoas podem se relacionar com o meu trabalho e se ver nele. Por exemplo - fiz um desenho de uma mulher dançando e alguém me enviou uma mensagem para dizer que esse é o exatamente o seu bumbum. Isso me fez rir tanto ... Eu amo essas interações. Impagável.

A parte mais difícil do meu trabalho é a solidão e aprender a confiar em seu próprio julgamento. Acho que quando você está trabalhando sozinha e assumindo várias funções, como atendimento ao cliente, faturamento, marketing, desenvolvimento de conteúdo para redes sociais, etc., pode se tornar bastante difícil tomar todas as decisões por conta própria. Acho super importante cultivar um senso de comunidade e ter um punhado de pessoas que você pode procurar quando precisa de ajuda e cuja opinião você valoriza.

Arnelle's Workstation

Qual o papel da criatividade na sua vida e no seu trabalho? O que significa para você viver uma vida criativa?

Eu acho que a criatividade está sempre mudando e evoluindo. Sou grata por ela me manter curiosa e aberta a coisas novas.

Veja mais

Para conhecer o trabalho da Arnelle acesse: arnellewoker.com

Ou siga no Instagram.